Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaque

CURSO SOBRE METODOLOGIA DE PESQUISA NO FEMINISMO NEGRO, ACONTECERÁ EM SP, CONFIRA!

O Coletivo Di Jeje vem desde 2014, oferecendo cursos de formação presenciais e on line sobre o feminismo negro no Brasil e intelectuais negras. Do processo de organização desses cursos, resultou a proposta de trabalho para o curso presencial inédito: Metodologia de Pesquisa no Feminismo Negro. O objetivo do curso, é apresentar as participantes, um método de trabalho dentro do feminismo negro, a partir da perspectiva teórica das intelectuais brasileiras Lélia Gonzales e Sueli Carneiro, e apresentar, o trabalho de algumas outras pesquisadoras do campo, nos últimos 20 anos no Brasil. O curso acontecerá em São Paulo, no Estúdio Nú, serão oferecidas 10 vagas, no dia 23 de Junho, das 10hs as 16hs. No valor da inscrição estão inclusos textos, certificados, café da manhã e almoço. A mediação será feita pela Professora Jaque Concieção, que é pedagoga e mestre em Educação pela PUC - SP e fundadora do Coletivo Di Jeje. Através da roda de conversa, como metodo de trabalho, o proposito do encontr…
Postagens recentes

CURSO SOBRE IDENTIDADE TRANS E RACISMO COMEÇA EM MAIO

Indicação de leitura

16 de Abril de 2015, 13h24
*originalmente públicado em https://goo.gl/ACWmc5 
Homem trans e negro nas trincheiras do cotidiano Em entrevista à Fórum, o escritor e ativista Marcelo Caetano fala sobre a experiência de ser um homem trans e negro: “Ser reconhecido como homem é algo que me deixa satisfeito, mas agora as pessoas me veem como um perigo” Por Jarid Arraes É muito difícil abarcar toda a complexidade de quem vivencia discriminações em […]
Por Redação Foto: Arquivo Pessoal

Em entrevista à Fórum, o escritor e ativista Marcelo Caetano fala sobre a experiência de ser um homem trans e negro: “Ser reconhecido como homem é algo que me deixa satisfeito, mas agora as pessoas me veem como um perigo”
Por Jarid Arraes


É muito difícil abarcar toda a complexidade de quem vivencia discriminações em sociedade; sobretudo porque ninguém é apenas uma coisa nem possui apenas uma face de sua identidade. Pelo contrário, há cada vez mais a necessidade de se falar em intersec…

Poesia, liberdade e revolução: o legado de Erika Huggins para a luta das mulheres negras no mundo

Texto: Angela Davis / Tradução: Jaque Conceição (coordenadora do Coletivo Di Jeje) / Edição de Imagem: Vinicius de Almeida (Alma Preta) - originalmente publicado no Portal Alma Preta
O texto a seguir foi extraído de uma das edições do jornal quinzenal produzido pelo Partido dos Panteras Negras nos Estados Unidos. Trata-se de uma apresentação do livro de poesias bibliograficas da militante negra Erika Huggins. O texto foi escrito por Angela Davis e expressa toda a beleza, a singularidade, a força e a vivacidade das mulheres negras, que a partir de suas experiências pessoais, buscavam construir um mundo livre de opressão, seja de raça, seja de genero ou de classe. As contribuições trazidas, em forma de poesia por Erika, no livro intitulado “Insigths and poems”, foi fundamental para o inicio da sistematização da luta das mulheres negras dentro do campo do feminismo. O texto escrito por Angela Davis, no final da primavera de 1970, sobre sua camarada de luta Erika Huggins, é um br…

EMPODERAMENTO: SERVE PARA QUEM?

Por Jaque Conceição - Coordenadora do Coletivo Di Jeje

O conceito de empoderamento, aparece pela primeira vez nos estudos sobre feminismo, no final dos anos 70, na literatura interseccional nos Estados Unidos. Na definição em inglês empowerment, é o acesso de pessoas aos espaços de poder, afim de que elas possam tomar decisões nas esferas de direção e mudança, impactando a vida de outras pessoas, que continuam na posição de subalternas.É refluxo das lutas por direitos civis, e do processo de inclusão das minorias politicas nos altos cargos das corporações norte americanas. 
Quando esse conceito, é incorporado as lutas sociais, propõe-se a inclusão de mulheres negras, por exemplo, nas esferas de decisão politicas dos espaços coletivos. Acreditamos, que o melhor exemplo, foi a Condoleezza Rice, Chefe de Estado Norte Americano durante o Governo Bush: uma mulher negra, norte americana, cujo ancestrais foram levados para aquele país, para compor mão de obra escrava, se tornou a 66º Chefe…

O pensamento de Angela Davis: apontamentos iniciais