Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2016

Coletivo Di Jejê realizará cursos gratuitos no SESC Pompeia, confira!

O projeto, em sua segunda edição e com idealização do Sesc Pompeia junto ao Coletivo Empoderadas, traz a diversidade, visibilidade política e estética das mulheres negras. Como referência ao famoso poema e à performance “Gritaram-me Negra!” da poeta peruana Victoria Santa Cruz, as atividades visam aproximar o público de reflexões pertinentes ao feminismo negro, ancestralidade, mestiçagem e consciência racial no Brasil.
Na edição de 2016, o Coletivo Di Jejê participará com dois cursos gratuitos, na programação. 
Anote a programação e se organize, por que vai ser lindo! 



Acesse a programação completa : AQUI

ÚLTIMA CHAMADA PARA O CURSO ON LINE SOBRE ANGELA DAVIS

O Coletivo Di Jejê está organizando suas atividades para 2017, e no próximo ano não oferecerá mais o curso sobre a intelectual, professora e ativista Angela Davis. Considerando a importância de seu pensamento para nossas lutas cotidianas, e a dificuldade de acesso a materiais traduzidos da autora, até dia 31 de Outubro, estão abertas as inscrições para o curso on line O pensamento de Angela Davis. O curso está com preço especial de 35 reais, pode ser pago via depósito/transferência ou cartão de crédito e os participantes recebem um certificado ao final.  O material on line dicará disponível até dia 31 de Dezembro.
Conteúdo programático: Módulo I - Introdução ao pensamento de Angela DavisMódulo II - LiberdadeMódulo III - Feminismo e Feminismo NegroMódulo IV - Sistema PrisionalMódulo VI - Racismo
BIBLIOGRAFIA:
DAVIS, Angela Yvonne. Lectures on liberation. 1969. Universidad Madrid. DAVIS, Angela Yvonne. An Autobiografic. 1972. New York: Random House. DAVIS, Angela Yvonne. Women, race and cla…

A leitura cinematográfica de Spike Lee e a condição da mulher negra

Spike Lee é um gênio do cinema norte americano, e isso ninguém dúvida. Seus filmes retratam com muita riqueza poética o processo de formação presente na comunidade negra urbana e  norte americana. Amores, família, violência, amigos, sexualidade, dilemas e conflitos fazem parte desse enredo, e em todos seus filmes, a mulher negra têm um papel central. Spike Lee nos aponta, que não é possível falar sobre a comunidade negra, sem dialogar sobre a importância da mulher negra nessas comunidades. A maternidade, nesse contexto ultrapassa o conceito de maternidade burguês, nas comunidades negras, na leitura de Spike Lee: a maternidade é vista como ponto central da dinâmica dessas mulheres, mesmo quando elas não são mães biológicas, elas são mães sociais das comunidade e gerem os dilemas e conflitos, prazeres e sucessos dos indivíduos da comunidade. Um dos aspectos importantes que a sutileza poética de Lee escancara em seus filmes, é a condição solitária da mulher negra. Não apenas do ponto de vist…

COLETIVO OFERECE CURSO ON LINE INÉDITO SOBRE FEMINISMO E OS PANTERAS NEGRAS

Inscrições para curso on line vão até dia 18 de Novembro e custam 80 reais
Em 2016, o Partido dos Panteras Negras do EUA faz 50 anos, e em comemoração, o Coletivo Di Jejê lança on line um curso inédito sobre feminismo e o Partido dos Panteras Negras. O objetivo do curso é abordar o pensamento de duas autoras feministas e ex militantes do Partido: Ericka Huggins e Assata Shakur. O pensamento dessas duas mulheres, são fundamentais para a compreensão da luta das mulheres negras no mundo todo e também do movimento negro. Serão oferecidas 20 vagas, na modalidade a distância, e terá inicio no dia 11 de Novembro. Serão 4 módulos que discutirão sobre a história do Partido dos Panteras Negras, a resistência feminina no interior do Partido e a atuação das mulheres, e o pensamento de Ericka Huggins e Assata Shakur. 



Parte do material bibliográfico utilizado são jornais elaborados pelo Partido com textos literários e acadêmicos produzidos pelas autoras e material de áudio. E alguns materiais são inédi…

AFROTRANSCENDENCE:programa de imersão em processos criativos com foco na cultura afro-brasileira

O QUE É AfroTranscendence é um programa gratuito de imersão em processos criativos para promover a cultura criativa afro-brasileira contemporânea. Chegando na sua segunda edição, vai acontecer de 26 a 29 de outubro de 2016 no Red Bull Station, centro de São Paulo reunindo como mentores diversos especialistas, artistas e pesquisadores que se juntarão a 20 selecionados de uma chamada aberta. O objetivo é estimular a troca de conhecimento entre pessoas vindas das mais diferentes práticas artísticas e formas de expressão incentivando-as a criar novas conexões, possibilidades e olhares em seus processos de criação tendo como inspiração a união entre saberes tradicionais e contemporâneos das culturas negras espalhadas pelo mundo. COMO PARTICIPAR É possível participar do AfroTranscendence de duas maneiras:
inscrevendo-se no processo de seleção que vai contemplar até 20 pessoas de todo o Brasil que irão participar durante os 4 dias de todas as atividades do programa; ou participando das ativid…

[INSCRIÇÕES PRORROGADAS] CURSO SOBRE SOLIDÃO DA MULHER NEGRA ABORDARÁ MASCULINIDADE E FAMÍLIA NEGRA

O encontro pretende discutir o legado da escravidão na experiência afetiva da comunidade negra no Brasil






Mais, o que é a solidão da mulher negra? A construção social de gênero não só perpassa pela luta de classes, como esta presente no racismo. Se ser mulher já é uma condição diminuída, ser mulher negra é condição de inexistência. Essa construção, no entanto, está presente no campo da subjetividade ideológica do capitalismo sobre identidade. A atuação da mulher negra na sociedade capitalista, está circunscrita a um modelo social, que impõe estereótipos e estigmas, portanto, a todo momento, as negras devem se preocupar em pensar quem são e por que são, como estratégia de superação desse estigma, que na maioria das vezes remete ao fracasso e a exclusão social. Um ponto importante, para pensarmos a dialética entre o que se deve ser e o que se é, quando se fala sobre a mulher negra no Brasil, é a escravidão.  Mas, não se pode falar de mulher negra sem falar de homem negro, e vice versa. Esse cur…